sábado, 10 de abril de 2010

De novo sobre o amor


Tudo seria mais fácil se esse amor que a gente inventou não tivesse tantas condições. Não precisasse ter aparência, dinheiro, tempo, popularidade. Esse engarrafamento do amor não mostrou muito sucesso. E essa propaganda que gratuitamente aceitamos como realidade não nos alimenta de muitas esperanças. E aí a gente sofre. Fantasia paixões em cada esquina, em cada rosto, no menor gesto de atenção de quem passe a nos rodear. Hoje eu sei que o amor é uma espécie de trabalho árduo e perpétuo. Só aqueles que não enxergam isso ficam se agarrando a ilusões passageiras. O amor é luta de espadas coruscantes. O amor é conhecer o outro a cada dia. Procurar se alegrar com o que outro tem a oferecer e não esperar do outro o impossível, o inimaginável que nem nós mesmos seríamos capazes de dar. Os orientais dizem que desejar pouco é o segredo de ser feliz. Porque se desejamos muito, fatalmente em alguns momentos vamos nos decepcionar. Por isso com você eu desejaria tão pouco. Só os teus beijos. Só os teus abraços.

Leometáfora

2 comentários:

exoticlic.com disse...

cara eu caí tão assustadoramente por uma pessoa aí.... mas tu escreve magnificamente bem =)

CLAPS

Danielle Souza* disse...

Primo, PERFEITO viu! Lindo demais... Parabéns pelo o seu talento exclusivo! Te adoro ♥